O Instituto Nacional de Câncer (INCA), em parceria com o Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) elabora as bases de um Programa de Qualidade em Mamografia a ser proposto ao Ministério da Saúde para implantação em todo o território nacional.

 

Objetivo geral

Implementar ações nacionais que visam ao controle da qualidade das mamografias para a detecção precoce do câncer de mama, por meio da ação coordenada com parceiros, como: gestores de saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), Vigilâncias Sanitárias, Colégio Brasileiro de Radiologia - CBR.

 

Objetivos específicos

  • Criar mecanismos de garantia da qualidade da imagem, do laudo/diagnóstico e da dose de radiação empregada (controle de risco);

  • Estabelecer critérios para o credenciamento e monitoramento contínuo dos serviços de mamografia do SUS (Portaria SAS/MS);

  • Implementar um sistema automatizado de coleta, processamento e gerenciamento de informações;

  • Qualificar os recursos humanos para contribuir com a qualidade dos serviços de mamografia.

Metodologia de atuação do Programa

  • Apoio aos órgãos municipais e estaduais de Vigilância Sanitária na organização das atividades de avaliação dos serviços de mamografia e no treinamento de seus técnicos;

  • Apoio às Sociedades de Radiologia dos estados na avaliação da qualidade dos exames; 

  • Medida anual da dose de radiação empregada nos exames, por via postal e sem custos para os serviços de mamografia;

  • Avaliação mensal da qualidade da imagem de simulador radiográfico de mama (phantom), por via postal e sem custos para os serviços de mamografia;

Metodologia para as avaliações

  • Infra-Estrutura e Processos: avaliados segundo o protocolo das VISAs (Portaria nº 453/98 ANVISA);

  • Dose Empregada: medida com dosímetros termoluminescentes (TLDs);

  • Processos e Qualidade da Imagem Radiográfica: feitos com a utilização de instrumentos e de um simulador radiográfico de mama;

  • Qualidade da Imagem Clínica e do Laudo: avaliados segundo o protocolo do Colégio
    Brasileiro de Radiologia (BI-RADS).

Programa Piloto

Lançamento programa piloto em João Pessoa - ParaíbaEntre 2007 e 2008, foi desenvolvido um Programa Piloto no estado da Paraíba (foto) e nas cidades de Belo Horizonte-MG, Goiânia-GO e Porto Alegre-RS. A escolha desses locais obedeceu aos seguintes critérios: identificar um local em pelo menos uma região do país; onde já existem iniciativas de qualidade de mamografia; ter um compromisso dos gestores de saúde com a qualidade da mamografia e a disponibilidade taxas de incidência e mortalidade por câncer de mama relativamente altas para a região.








De março de 2007 a agosto de 2008, foram avaliados 53 serviços de mamografia do SUS no estado da Paraíba e nas cidades de Belo Horizonte, Goiânia e Porto Alegre. No estado da Paraíba (foto) foram avaliados 11 serviços, em Belo Horizonte 18 serviços, em Goiânia 13 serviços e em Porto Alegre 11 serviços.
Ao final do projeto, identificou-se a necessidade de prosseguir com as ações de controle da qualidade da mamografia em todo o país como um programa nacional de qualidade em mamografia
Treinamento em João Pessoa - Paraíba

Resultados
Foram avaliados 53 serviços de mamografia do SUS no estado da Paraíba e nas cidades de Belo Horizonte, Goiânia e Porto Alegre. No estado da Paraíba foram avaliados 11 serviços, em Belo Horizonte 18 serviços, em Goiânia 13 serviços e em Porto Alegre 11 serviços.

Os resultados das avaliações realizadas nos serviços de mamografia mostram que a metodologia aplicada no âmbito do projeto Piloto, baseada na avaliação de infra-estrutura, processos e resultados, foi capaz de fornecer informações importantes para a caracterização do grau de adequação dos serviços em relação aos requisitos de qualidade e proteção radiológica desses serviços.


Os resultados mostraram que, em relação à infra-estrutura dos serviços de mamografia (sala de exame, vestimentas de proteção individual, características e instalação do mamógrafo e da processadora), o grau de conformidade foi de 66%. Para os processos que controlam a qualidade da imagem e dose de radiação a conformidade foi de 76%. Em relação às mamografias, o percentual de conformidade para os exames apresentados pelos serviços foi de 93% para o posicionamento correto e de 90% para a qualidade da imagem.

Em relação à interpretação, pelos radiologistas dos serviços, das imagens radiológicas de um conjunto de exames, o grau de concordância foi de 72% em relação a interpretação dos especialistas do Colégio Brasileiro de Radiologia.

 

Os resultados indicam que aspectos relacionados à infra-estrutura, dose de radiação e qualidade da imagem precisam ser aprimorados em muitos serviços. É necessário também implantar ações de capacitação continuada de técnicos e radiologistas com o objetivo de melhorar a qualidade dos exames (posicionamento da paciente e técnica radiográfica) e da interpretação radiológica.

Foram capacitados por ocasião das visitas de avaliação aos pólos do projeto piloto 126 técnicos em radiologia e 57 radiologistas, além da capacitação dos técnicos das vigilâncias sanitárias locais.



DVD "Projeto Piloto de Qualidade em Mamografia"
O Projeto Piloto de Qualidade em Mamografia, realizado entre março de 2007 e setembro de 2008, avaliou 53 serviços de mamografia do SUS, em quatro pólos de diferentes regiões do país.

Conheça um pouco mais sobre os esforços pela garantia de qualidade das mamografias e sobre os resultados do piloto assistindo ao DVD “Projeto Piloto de Qualidade em Mamografia: uma parceria de sucesso”.

O vídeo está disponível para livre veiculação, desde que citada a fonte.